Pular para o conteúdo principal

5 ALIMENTOS QUE FAZEM BEM PARA O CÉREBRO

5 alimentos que fazem bem para o cérebro


Alimentos ricos em compostos como antioxidantes e áxidos graxos podem melhorar a memória e a saúde do cérebro, segundo especialistas.
De frutas a peixes, aqui temos uma lista de 5 alimentos que podem fazer bem ao cérebro, segundo estudos.

1. Nozes

por-que-voce-pode-comer-nozes-em-sua-dieta1[1]
Um estudo descobriu que as dietas que contém nozes revertiam em 2% os sinais de envelhecimento no cérebro de ratos idosos, melhorando a capacidade de funcionamento e processamento de informações.
Um outro estudo relatou que ratos com Alzheimer mostravam melhorias na capacidade de aprendizado, memória e coordenação motora depois de serem alimentados com nozes.
As nozes contêm grandes quantidades de antioxidantes, que alguns pesquisadores afirmam combater os danos ao DNA das células do cérebro.

2. Cenouras

imagens-imagens-de-cenoura-1[1]
Cenouras, que são conhecidas por fazer bem aos olhos, também fazem bem para o cérebro.
As cenouras possuem altos níveis de um composto chamado luteolina, que reduzem os déficits de memória relacionados à idade e inflamação no cérebro, de acordo com um estudo. Esse mesmo estudo comprovou que ratos que tinham 20 miligramas de luteolina acrescentada à sua dieta tinham reduzido a inflamação no cérebro, além de restaurar a memória dos ratos.
Alimentos como azeite de oliva e pimenta também são ricos em luteolina.

3. Peixe

from BBS upload
Embora alguns estudos tenham mostrado que tomar suplementos de óleo de peixe podem não retardar o declínio cognitivo em pessoas com Alzheimer, outros estudos mostram que comer peixes ricos em ômega-3 podem ajudar com o lento declínio cognitivo típico do avanço da idade.
Um estudo de 2005 descobriu que pessoas com 65 anos ou mais, que comeram peixe 2 vezes por semana durante 6 anos, tiveram uma diminuição de 13% no seu declínio cognitivo em comparação com pessoas que não comiam peixe regularmente.
Peixes ricos em vitamina B12 também podem ajudar a proteger do Alzheimer, de acordo com um estudo de 2010.

4. Café e chá

xicara-de-cafe-2[1]
O café pode fazer mais do que simplesmente nos manter acordados: ele pode ajudar na prevenção ao Alzheimer e melhorar a função cognitiva,
Um estudo descobriu que quando pesquisadores deram café com cafeína para ratos geneticamente modificados para desenvolverem a doença de Alzheimer, a progressão da doença era reduzida ou até mesmo nunca se desenvolvia. Com base na descoberta, o café poderia eventualmente servir como um tratamento terapêutico para pessoas com Alzheimer, afirmaram os pesquisadores.
Eles também mostraram os efeitos do chá sobre o cérebro. Pessoas que bebiam chá se saíram melhores em testes de memória do que as que não bebiam chá, segundo um estudo que envolveu 716 chineses adultos com 55 anos ou mais.

5. Espinafre

espinafre-os-beneficios-e-controversias-do-vegetal[1]
O espinafre contém uma quantidade considerável das vitaminas C e E, que melhoram as habilidades cognitivas.
Um estudo publicado em 2000 na revista Brain Research mostrou que ratos tiveram alguns dos seus déficits de memória relacionados à idade revertidos quando tinham dietas suplementadas por espinafre, morango e mirtilos.
Matheus Gonçalves | July 14, 2016 at 7:40 pm | 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ALIMENTAÇÃO PARA PREVENÇÃO E RISCOS NO CÂNCER

DIETA E CÂNCER  Qual o impacto da doença na saúde da população: No Brasil, a incidência de câncer se torna mais evidente à medida que ocorre o envelhecimento da população, resultado do processo de desenvolvimento econômico e social. Atualmente, o câncer é reconhecido como uma doença comum, representando a segunda principal causa de morte no país. Na faixa etária acima de 40 anos de idade é a principal causa de morte, sendo até 30% desses cânceres diretamente relacionados aos hábitos alimentares. FATORES DE RISCO PARA O CANCER  FumoDieta (rica em gorduras e carne vermelha)SedentarismoTrabalho em ambiente carcinogênicoHistória familiar para câncer
A dieta e a alimentação são considerados fatores de risco modificáveis, uma vez que os hábitos alimentares podem ser modificados através da adoção de um estilo de vida mais saudável. Mudanças na dieta que podem diminuir o risco de desenvolver câncer Atualmente, alguns alimentos contribuem para o desenvolvimento do câncer, enquanto outros podem con…

ORIGEM E HISTÓRIA DO VEGETARIANISMO

Definição Vegetarianismo ou vegetarismo é um regime alimentar baseado no consumo de alimentos de origem vegetal. Define-se como a prática de não comer qualquer tipo de animal, com ou sem uso de laticínios eovos[1][2] O vegetarianismo pode ser adotado por diferentes razões. Uma das principais é o respeito à vida dos animais. Tal motivação ética foi codificada em várias crenças religiosas juntamente com os direitos dos animais. Outras motivações estão relacionadas com a saúde, o meio ambiente, a estética e a economia. Existe uma grande variação de dietas vegetarianas em relação aos produtos que são ou não consumidos. A forma mais popular de vegetarianismo é o ovolactovegetarianismo, que exclui todos os tipos de carnes, mas inclui ovosleite e laticínios. Há também o lactovegetarianismo, que exclui todos os tipos de carne e também o ovo. Mas é consumido leite e os seus derivados. Outra forma de dieta vegetariana é o vegetarianismo estrito: neste, são excluídos todos os produtos de origem…

VEGANISMO OU MOVIMENTO VEGANO,AS RAZÓES ETÍCAS DO RESPEITO AOS DIREITOS DOS ANIMAIS E MEIO AMBIENTE

Veganismo é um movimento a respeito dos direitos animais e ambientais. Por razões éticas, os veganos são contra a exploração dos animais e do meio ambiente por meio da agropecuária. O boicote à atividades e produtos que são contra direitos dos animais e ambiente é uma das principais ações praticadas por quem adere ao movimento. Em 1997, três por cento dos Estados Unidos anunciaram não ter usado nenhum produto de origem animal nos últimos dois anos. Em 2007, dois por cento do Reino Unido se declararam como veganos. [1] O número de restaurantes veganos está crescendo, de acordo com o Oxford Companion to American Food and Drink (2007).[2] Tem sido mostrado que pessoas em dietas que incluem comidas de origem animal tem mais probabilidades de terem doenças degenerativas, principalmente doenças cardiovasculares.[3] A Associação Dietética Americana (The American Dietetic Association) e os Nutricionistas do Canadá (Dietitians of Canada) consideram a dieta vegana apropriada para todos os estági…