Pular para o conteúdo principal

CULTIVO ORGÂNICO É MAIS EFICIENTE QUE TRADICIONAL,DIZ ESTUDO

Cultivo orgânico é mais eficiente que tradicional, diz estudo

Cultivo orgânico é mais eficiente que tradicional, diz estudo

Alimentos orgânicos são mais saudáveis e causam menos impacto para o meio ambiente. Então por que não cultivamos mais orgânicos, que representam hoje apenas 1% das terras agrícolas do mundo?
Muitos agricultores acreditam que o cultivo orgânico é menos eficiente do que o tradicional, pois precisa de mais terra para produzir a mesma quantidade de comida. A pesquisaAgricultura Orgânica no Século XXI, da Universidade de Washington, comprova que não é bem assim. Publicada na revista especializada Nature Plants, a pesquisa é resultado de 40 anos de ciência e envolve centenas de estudos.
Com alguns cases que mostram que a agricultura orgânica consegue ser mais eficiente do que a tradicional, os autores do estudo comprovam que é possível e real transicionar toda a agricultura existente para um modelo orgânico, eficiente e sustentável.
Os solos da agricultura orgânica têm maior potencial de retenção de água e estão mais preparados para períodos de seca (que serão cada vez mais frequentes com as mudanças climáticas). Por isso, com o tempo, sofrerão menos impacto e serão muito mais produtivos, conclui o estudo dos pesquisadores John Reganold e Jonathan Watcherhe.
Além disso, já são comprovados os benefícios da agricultura orgânica para o solo: possui maior habilidade de reter carbono, melhor fertilidade e reduz erosão. No geral, o modelo gera menos poluição no solo e nas águas e emite menores quantidades de gases de efeito estufa. E mais: reduz a demanda energética, uma vez que não utiliza fertilizantes e pesticidas sintéticos.
Os benefícios não param por aí! O cultivo orgânico ainda fomenta a biodiversidade, protege o trabalhador rural contra substâncias tóxicas e também o consumidor final contra ingestão de venenos que podem causar câncer e doenças de origem neurológica e genética.
Segundo John, se observarmos a produção atual de alimentos, já é possível garantir comida às 7 bilhões de pessoas do mundo — basta reduzir a quantidade de desperdício, que representa ⅓ da produção mundial. “Nós precisamos tornar a agricultura sustentável e acabar com o desperdício de alimento”, explica.
O estudo também explica que há muitas barreiras para que essa transição aconteça, como por exemplo o alto custo de um selo orgânico e estrutura inapropriada para armazenar e transportar alimentos. É preciso criar oportunidades legais e financeiras para que essa mudança aconteça de forma massiva. Mãos à obra?!
Foto: Nacho Rascón/Creative Commons
Fonte:http://thegreenestpost.bol.uol.com.br/cultivo-organico-e-mais-eficiente-que-tradicional-comprova-estudo/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ALIMENTAÇÃO PARA PREVENÇÃO E RISCOS NO CÂNCER

DIETA E CÂNCER  Qual o impacto da doença na saúde da população: No Brasil, a incidência de câncer se torna mais evidente à medida que ocorre o envelhecimento da população, resultado do processo de desenvolvimento econômico e social. Atualmente, o câncer é reconhecido como uma doença comum, representando a segunda principal causa de morte no país. Na faixa etária acima de 40 anos de idade é a principal causa de morte, sendo até 30% desses cânceres diretamente relacionados aos hábitos alimentares. FATORES DE RISCO PARA O CANCER  FumoDieta (rica em gorduras e carne vermelha)SedentarismoTrabalho em ambiente carcinogênicoHistória familiar para câncer
A dieta e a alimentação são considerados fatores de risco modificáveis, uma vez que os hábitos alimentares podem ser modificados através da adoção de um estilo de vida mais saudável. Mudanças na dieta que podem diminuir o risco de desenvolver câncer Atualmente, alguns alimentos contribuem para o desenvolvimento do câncer, enquanto outros podem con…

ORIGEM E HISTÓRIA DO VEGETARIANISMO

Definição Vegetarianismo ou vegetarismo é um regime alimentar baseado no consumo de alimentos de origem vegetal. Define-se como a prática de não comer qualquer tipo de animal, com ou sem uso de laticínios eovos[1][2] O vegetarianismo pode ser adotado por diferentes razões. Uma das principais é o respeito à vida dos animais. Tal motivação ética foi codificada em várias crenças religiosas juntamente com os direitos dos animais. Outras motivações estão relacionadas com a saúde, o meio ambiente, a estética e a economia. Existe uma grande variação de dietas vegetarianas em relação aos produtos que são ou não consumidos. A forma mais popular de vegetarianismo é o ovolactovegetarianismo, que exclui todos os tipos de carnes, mas inclui ovosleite e laticínios. Há também o lactovegetarianismo, que exclui todos os tipos de carne e também o ovo. Mas é consumido leite e os seus derivados. Outra forma de dieta vegetariana é o vegetarianismo estrito: neste, são excluídos todos os produtos de origem…

VEGANISMO OU MOVIMENTO VEGANO,AS RAZÓES ETÍCAS DO RESPEITO AOS DIREITOS DOS ANIMAIS E MEIO AMBIENTE

Veganismo é um movimento a respeito dos direitos animais e ambientais. Por razões éticas, os veganos são contra a exploração dos animais e do meio ambiente por meio da agropecuária. O boicote à atividades e produtos que são contra direitos dos animais e ambiente é uma das principais ações praticadas por quem adere ao movimento. Em 1997, três por cento dos Estados Unidos anunciaram não ter usado nenhum produto de origem animal nos últimos dois anos. Em 2007, dois por cento do Reino Unido se declararam como veganos. [1] O número de restaurantes veganos está crescendo, de acordo com o Oxford Companion to American Food and Drink (2007).[2] Tem sido mostrado que pessoas em dietas que incluem comidas de origem animal tem mais probabilidades de terem doenças degenerativas, principalmente doenças cardiovasculares.[3] A Associação Dietética Americana (The American Dietetic Association) e os Nutricionistas do Canadá (Dietitians of Canada) consideram a dieta vegana apropriada para todos os estági…