Pular para o conteúdo principal

FLORES COMESTÍVEIS : COM CULTIVAR EM CASA E USAR EM RECEITAS

Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas (Foto: Sarah Braun/Flickr)

Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas

Descubra quais os principais nomes e usos para ter um jardim florido e gastronômico

12/07/2016| POR AMANDA SEQUIN

Seja em saladas, doces, quiches ou apenas para a decoração de pratos, flores comestíveis são ótimas opções para turbinar e colorir o menu. Além disso, podem ser cultivadas em pequenos jardins - até mesmo dentro de casa! Quer saber como? Confira, a seguir, um guia de cultivo e os tipos mais utilizados na culinária. Depois, é só se aventurar no preparo de uma manteiga aromatizada, no carpaccio de pupunha com flores ou na salada de endívias, capuchinha e queijo feta!

 

Primeiros passos
Antes de começar a se aventurar na cozinha, tenha em mente alguns cuidados: nem toda flor é consumível. "Algumas tem potencial tóxico ou sabores muito fortes", explica Gabriela Pastro, especialista em ervas aromáticas e especiarias do Sabor de Fazenda. Portanto, conheça a espécie! Certifique-se também de que a planta é orgânica e higienize da maneira correta: imersa em uma solução com água e sal (500 ml para cada colher de chá) por cinco minutos. 

Os tipos de flores
Elas se dividem conforme as partes comestíveis: flor inteira, somente pétalas ou sépalas e brácteas. "O orégano seco que consumimos não é oriundo das folhas e sim das sépalas secas das flores. Ou seja, as flores também podem ser consideradas temperos", explica Gabriela. Confira, a seguir, cinco espécies e suas características.

Amor-perfeito (Viola x wittrockiana)
Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas (Foto: Reprodução)
Também chamada de viola tricolor e erva-trindade, trata-se de uma herbácea perene, híbrida e de hastes muito ramificadas que variam entre 20 e 30 cm. Suas flores vistosas, nas cores branca, roxa, amarela, rósea e marrom, formam-se no inverno e primavera. É cultivada em maciços densos e canteiros a meia sombra, protegida do sol forte, com terra fertilizada, rica em húmus, mantida permanentemente úmida. Na culinária, podem ser cristalizadas, incrementar saladas e aromatizar manteigas.
Capuchinha (Tropaeolum majus) 
Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas (Foto: Reprodução)
Com nuances em laranja, amarela ou vermelha, é uma das mais usadas em pratos brasileiros. Medindo de 30 a 40 cm de altura, a herbácea se forma entre primavera e verão e deve ser mantida sob sol pleno, como planta pendente em vasos, jardineiras, ou canteiros. Multiplica-se por sementes, que devem ser colocadas para germinar no outono. Na gastronomia, serve de enfeite ou como um tempero fresco e picante para pratos e saladas verdes.
Hibisco/Vinagreira (Hibiscus sabdariffa)
Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas (Foto: Reprodução)
Famosa pelo uso para chás, a espécie é do tipo arbusto semi-lenhoso, mede entre 1,5 e 3,0 m de altura e floresce o ano todo se cultivada a pleno sol. De cor rosa-arroxeada, suas brácteas e sépalas possuem um sabor ácido e servem de base para a confecção de geleias e sucos.
Tagete (Tagetes sp.)
Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas (Foto: Reprodução)
"Esta não é tão comum no mundo gourmet, porém seu uso tem se ampliado nos últimos tempos", revela a especialista Gabriela Pastro sobre essa herbácea anual, ereta, ramificada, com altura entre 60 e 90 cm. Suas folhas apresentam cheiro forte e característico e as flores possuem tonalidades amarelas e alaranjadas, que lembram cravos, e se formam principalmente na primavera e no verão. São usadas no preparo de manteigas aromatizadas, patês, ricotas e risotos.
Violeta-perfumada (Viola odorata)
Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas (Foto: Reprodução)
Mais delicada do que a violeta tradicional (violeta africana), a viola odorata atinge pouco mais de 10 cm de altura e possui flores perfumadas, de cor violeta ou esbranquiçadas. "Deve ser cultivada a meia-sombra, sempre úmida", ressalta Gabriela. Suas flores são pequenas e servem para decoração, aromatização de manteigas e cristalização para doces.
Como plantar
A única diferença em relação a outros tipos de plantas é forma de adubá-las. "Existem duas maneiras: adubo líquido nas folhas e granulado na terra. Para as folhas, o melhor é o originário da composteira caseira (minhocário), vulgarmente chamado de chorume", resume a especialista, que indica diluir o líquido liberado no processo na proporção 1 para 10 de água. A adubação líquida pode ser feita a cada 15 dias, borrifando as folhas sempre de baixo para cima. Já os granulados (bokashi e farinha de osso são alguns exemplos) devem ser aplicados a cada 40 dias.


Fonte:http://casavogue.globo.com/Arquitetura/Paisagismo/noticia/2016/07/flores-comestiveis-como-cultivar-em-casa-e-usar-em-receitas.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ALIMENTAÇÃO PARA PREVENÇÃO E RISCOS NO CÂNCER

DIETA E CÂNCER  Qual o impacto da doença na saúde da população: No Brasil, a incidência de câncer se torna mais evidente à medida que ocorre o envelhecimento da população, resultado do processo de desenvolvimento econômico e social. Atualmente, o câncer é reconhecido como uma doença comum, representando a segunda principal causa de morte no país. Na faixa etária acima de 40 anos de idade é a principal causa de morte, sendo até 30% desses cânceres diretamente relacionados aos hábitos alimentares. FATORES DE RISCO PARA O CANCER  FumoDieta (rica em gorduras e carne vermelha)SedentarismoTrabalho em ambiente carcinogênicoHistória familiar para câncer
A dieta e a alimentação são considerados fatores de risco modificáveis, uma vez que os hábitos alimentares podem ser modificados através da adoção de um estilo de vida mais saudável. Mudanças na dieta que podem diminuir o risco de desenvolver câncer Atualmente, alguns alimentos contribuem para o desenvolvimento do câncer, enquanto outros podem con…

ORIGEM E HISTÓRIA DO VEGETARIANISMO

Definição Vegetarianismo ou vegetarismo é um regime alimentar baseado no consumo de alimentos de origem vegetal. Define-se como a prática de não comer qualquer tipo de animal, com ou sem uso de laticínios eovos[1][2] O vegetarianismo pode ser adotado por diferentes razões. Uma das principais é o respeito à vida dos animais. Tal motivação ética foi codificada em várias crenças religiosas juntamente com os direitos dos animais. Outras motivações estão relacionadas com a saúde, o meio ambiente, a estética e a economia. Existe uma grande variação de dietas vegetarianas em relação aos produtos que são ou não consumidos. A forma mais popular de vegetarianismo é o ovolactovegetarianismo, que exclui todos os tipos de carnes, mas inclui ovosleite e laticínios. Há também o lactovegetarianismo, que exclui todos os tipos de carne e também o ovo. Mas é consumido leite e os seus derivados. Outra forma de dieta vegetariana é o vegetarianismo estrito: neste, são excluídos todos os produtos de origem…

VEGANISMO OU MOVIMENTO VEGANO,AS RAZÓES ETÍCAS DO RESPEITO AOS DIREITOS DOS ANIMAIS E MEIO AMBIENTE

Veganismo é um movimento a respeito dos direitos animais e ambientais. Por razões éticas, os veganos são contra a exploração dos animais e do meio ambiente por meio da agropecuária. O boicote à atividades e produtos que são contra direitos dos animais e ambiente é uma das principais ações praticadas por quem adere ao movimento. Em 1997, três por cento dos Estados Unidos anunciaram não ter usado nenhum produto de origem animal nos últimos dois anos. Em 2007, dois por cento do Reino Unido se declararam como veganos. [1] O número de restaurantes veganos está crescendo, de acordo com o Oxford Companion to American Food and Drink (2007).[2] Tem sido mostrado que pessoas em dietas que incluem comidas de origem animal tem mais probabilidades de terem doenças degenerativas, principalmente doenças cardiovasculares.[3] A Associação Dietética Americana (The American Dietetic Association) e os Nutricionistas do Canadá (Dietitians of Canada) consideram a dieta vegana apropriada para todos os estági…