Pular para o conteúdo principal

RECEITAS DE LEITES VEGETAIS PARA CRIANÇAS

mymidlifemumblings.wordpress

Leite vegetal para o bebê ou criança pequena é uma boa pedida na hora de oferecer mais vitaminas, minerais, fibras e também gorduras benéficas.
Na verdade, o dito popular acabou fixando as bebidas feitas com vegetais como “leite”.
Leite porque alimenta, e pronto.

LEITE DE AVEIA
Coloque 150 ml de aveia em flocos de molho em 1 litro de água, por cerca de 20 minutos.
Em seguida, bata no liquidificador, acrescentando 1 pitada de sal.
naturaltherapypagescomau -
Guarde em jarra de vidro esterilizada ou pote de vidro, bem fechado, na geladeira.
Para bebês, pode fazer cozido, como um mingau ralo, para garantir a segurança alimentar.
Coloque 250ml de água para cada 3 colheres de aveia, e leve ao fogo, com umA pitada de sal.
Para dar mais sabor, coloque raspas de laranja, bata com uma fruta doce, acrescente baunilha em favas ou cacau, alfarroba…
Evite alimentos crus para bebês pequenos, pelo risco de contaminação.
A menos quea família seja crudívora, e saiba lidar com esse tipo de alimentação adequadamente.
Como o Daniel, pai da Olivia:
LEITE DE GERGELIM ou LINHAÇA
2 xícaras de água
4 colheres de sopa de sementes de gergelim
Deixe as sementes de molho por cerca de 3 a 4 horas. Bata no liquidificador, depois coe.
Esse tipo de leite é melhor para uso em receitas como de pães, bolos, etc.
Não é aconselhável a ingestão de gergelim ou linhaça em quantidades maiores que 1 colher de café ao dia para crianças muito pequenas.
Essas sementes devem ser sempre hidratadas ou germinadas, e oferecidas sem a casca.
O gergelim é alergênico, portanto não deve ser oferecido aos bebês e crianças menores de 1 ano, á menos que comprovado que não há risco para a saúde. 
LEITE DE CASTANHAS com AVEIA
1/2 litro de água fervente
3 castanhas do Pará
2 colheres de sopa de flocos de aveia
1 pitada de sal
Deixe de molho por cerca de 1 hora, depois bata tudo no liquidificador.Coe. Pronto.
Ideal para uso em receitas de bolos, bolinhos, tortas, etc.
As castanhas e nozes possuem potencial alergênico, e elementos tóxicos se ingeridos em quantidade superior á recomendada ao dia.
O consumo de frutas oleaginosas deve ser extremamente moderado para crianças menores.
LEITE DE ARROZ
1 xícara de arroz cru lavado (prefira arroz moti, arbóreo ou integral)
4 xícaras de água, 1 pitada de sal marinho
Deixar de molho por cerca de 4 horas.
Coloque o arroz para cozinhar em fogo baixo, até que fique cozido e empapado. Não deixe a água secar. O caldo deve estar com os níveis sempre acima dos grãos de arroz, mesmo depois de cozido.
Deixe esfriar. Coloque a água do cozido com auxilio de uma concha, e algumas colheres do arroz já cozido, no liquidificador, com a própria água.
Para acrescentar cálcio á receita, coloque castanhas de molho em água fervente, por 4 horas, e bata junto com o arroz, ou acrescente 1 colher de café de gergelim ou linhaça germinados ou hidratados, ou misture o arroz com  Quinoa, que é rica em cálcio.
Coe em coador de pano grande (de café ou similar).
downloadLEITE DE COCO
Limpe 2 cocos médios.Retire a polpa. Pique e bata no processador ou iquidificador, com pouca água do próprio coco.
Transfira para um pano fino (tipo tule), ou uma peneira extrafina. Esprema para tirar todo o seu leite.
Ou faça dessa maneira:
Coloque o bagaço do coco em uma vasilha.
Misture com água. Deixe de molho por 30 minutos.
A seguir, despeje em um coador de pano e esprema bem.
Guarde em jarra de vidro esterilizada.
LEITE DE QUINOA
1/2 copo de grãos de quinoa lavada
2 xicaras de água filtrada
Coloque a quinoa de molho em água, em uma tigela de vidro.
Cubra com uma tampa ou filme plástico. Deixe na  geladeira durante a noite.
Na manhã seguinte, escorra a quinoa e passe em água limpa.
Coloque em uma panela, junte as 2 xícaras de água  e leve ao fogo até ferver.
deixe amornar e bata no liquidificador, acrescentado água aos poucos, se necessário.
Coe utilizando coador de pano grande (de café).
LEITE DE AMÊNDOAS DOCES
Coloque as amêndoas de molho (200g) em uma vasilha com cerca de dois dedos acima.
Deixe por cerca de 1 hora. despreze a água.
Bata com água (1 litro).
download (2)
Por recomendação da pediatra, a Karenina começou a dar leite de orchata pra sua filha, ainda bebê. No blog ela conta como foi essa experiência, muito bem sucedida!
Horchata
Tem ainda leite de inhame, de canjica, de milho, de quinoa, de alpiste, de cevadinha, de
Utilize baunilha em favas, cacau, alfarroba ou frutas doces para dar um up no sabor!
Leites de castanhas, nozes, gergelim ou linhaça devem ser consumidos com moderação, pois possuem substâncias que podem causar problemas se ingeridas acima da quantidade diária recomendada.
De onde veio?
Tomei conhecimento do leite de arroz lendo o livro de um médico alemão, que o recomendava como excelente para fortalecer o aparelho digestivo. Isso lá no outro século.
Ele citava a medicina chinesa, de onde sempre vem muita coisa boa, e a macrobiótica.
Anos depois, lembrei do leite de arroz como substituto ao leite de vaca para minha filha alérgica e intolerante.
O leite de grãos eu achava forte, depois soube que pode causar um desequilíbrio de nutrientes por conter muitos fitatos.
Deixei para quando ela estivesse maior, e os de gergelim e de castanhas conheci em um tópico do orkut.
Fonte:https://alimentosaudeinfantil.wordpress.com/category/leite-vegetal-para-bebe/

"Leites vegetais" para bebês e crianças pequenas


De início, encontramos um obstáculo para a denominação "leites vegetais", já que a maioria dos defensores do consumo de leite animal e fórmulas infantis feitas com ele, não consideram tal alimento, pois afirmam que não existe extração de "leite" de grãos, sementes ou castanhas.
Baseada nisso, cheguei a criar a sigla PVL - Proteína Vegetal Líquida - para nomear os "leites vegetais", mas na verdade, pouco importa como os chamemos, o que é verdade é que eles funcionam como fonte de proteína e cálcio para quem não quer consumir produtos animais.

Então, os opositores vão ter que engolir a funcionalidade dos leites vegetais (a partir de agora, vou tirar as aspas do termo no texto, aceitando plenamente a validade deles como leite!).

No tópico O que é "leite vegetal" ou PVL?, apresento a noção e composição desses leites e como podemos introduzi-los na alimentação dos pequenos.

A principal diferença entre o uso dos leites para adultos e pequenos é a dosagem: usamos menos quantidade dos ingredientes e oferecemos menos vezes ao dia, além de buscar variedade, à medida que testamos cada novo alimento. Temos que ter cuidado com a ingestão diária de fibras, pois além das existentes nos leites, temos as das verduras, frutas, legumes e cereais constantes nas papinhas, que logo começarão a ser também ingeridas. Excesso de fibras altera a excreção, podendo causar diarréia e também elimina nutrientes.
Se possível, a mamãe deve continuar também oferecendo seu leite até a criança completar dois anos de idade, muitas receitas podem contar com o LM entre seus ingredientes (nas papinhas, nos mingaus, nos cremes e outras preparações).

Conforme descrito no tópico citado, dei à minha filha, incialmente o leite de grãos cozidos, como prega a macrobiótica, utilizando os resíduos para fazer as primeiras papinhas: uma colherada dos resíduos, adicionada a um legume de cada vez, como a cenoura, chuchu, abobrinha, abóbora okaido, batata...
Aqui entra outra grande polêmica: crus ou cozidos? Como há pouca literatura sobre leites vegetais crus para bebês e, consequentemente, pouca informação sobre como eles reagem aos leites crus em tenra idade, preferi iniciar com o cozido e depois, fui experimentando os crus, com cautela, principalmente no uso das castanhas e amêndoas, que podem causar alergias (usamos aqui uma quantidade mínima, meia castanha ao dia, para começar).
Dentro dessa polêmica, sigo a regra de oferecer alimentos crus e depois os cozidos, para evitar aleucocitose.

Os leites devem ser oferecidos um de cada vez, dando um tempo para verificar possíveis reações (4 dias, no mínimo) e não introduzindo nenhuma outra novidade nesse momento, pois como saberemos se foi x ou y que causaram aquele problema intestinal ou as bolinhas que apareceram na pele do filhote?
Então, em todas as receitas de leites vegetais apresentadas aqui no blog (com exceção do leite de grãos, que já está balanceada para os pequenos), use sempre a metade dos ingredientes sugeridos e comece com os leites de aveia e de arroz, indo aos poucos, usando os demais, quando a criança já estiver perto de completar um ano (o ideal é que bebês menores de 2 anos consumam duas colheres de sopa de aveia diariamente). As sementes de linhaça e gergelim germinadas, por exemplo, usamos apenas uma colherzinha de chá delas ao dia. Se algum deles não for bem aceito, suspenda e experimente, de novo, quando ela já for maiorzinho.
Mais tarde, podemos fazer combinações, leite de aveia com gergelim, por exemplo, que como tem um gosto meio exótico e amarguinho, não é muito bem aceito pela gurizada; mas basta incrementá-lo que torna-se gostoso e é uma grande fonte de proteína e cálcio. Outra opção é colocar no leite de arroz um pedacinho de castanha ou amêndoa hidratada. Também podemos ir acrescentando frutas e fazendo vitaminas no liquidificador.

Um detalhe importante: nunca usei mamadeira, dei às colheradas, usando uma colherzinha pequena e depois já iniciei o uso do copinho, principalmente porque minha caçula só parou de mamar ao peito com quase dois anos.

Fonte:
http://cozinhanatureba.blogspot.com.br/2010/07/leites-vegetais-para-bebes-e-criancas.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ALIMENTAÇÃO PARA PREVENÇÃO E RISCOS NO CÂNCER

DIETA E CÂNCER  Qual o impacto da doença na saúde da população: No Brasil, a incidência de câncer se torna mais evidente à medida que ocorre o envelhecimento da população, resultado do processo de desenvolvimento econômico e social. Atualmente, o câncer é reconhecido como uma doença comum, representando a segunda principal causa de morte no país. Na faixa etária acima de 40 anos de idade é a principal causa de morte, sendo até 30% desses cânceres diretamente relacionados aos hábitos alimentares. FATORES DE RISCO PARA O CANCER  FumoDieta (rica em gorduras e carne vermelha)SedentarismoTrabalho em ambiente carcinogênicoHistória familiar para câncer
A dieta e a alimentação são considerados fatores de risco modificáveis, uma vez que os hábitos alimentares podem ser modificados através da adoção de um estilo de vida mais saudável. Mudanças na dieta que podem diminuir o risco de desenvolver câncer Atualmente, alguns alimentos contribuem para o desenvolvimento do câncer, enquanto outros podem con…

ORIGEM E HISTÓRIA DO VEGETARIANISMO

Definição Vegetarianismo ou vegetarismo é um regime alimentar baseado no consumo de alimentos de origem vegetal. Define-se como a prática de não comer qualquer tipo de animal, com ou sem uso de laticínios eovos[1][2] O vegetarianismo pode ser adotado por diferentes razões. Uma das principais é o respeito à vida dos animais. Tal motivação ética foi codificada em várias crenças religiosas juntamente com os direitos dos animais. Outras motivações estão relacionadas com a saúde, o meio ambiente, a estética e a economia. Existe uma grande variação de dietas vegetarianas em relação aos produtos que são ou não consumidos. A forma mais popular de vegetarianismo é o ovolactovegetarianismo, que exclui todos os tipos de carnes, mas inclui ovosleite e laticínios. Há também o lactovegetarianismo, que exclui todos os tipos de carne e também o ovo. Mas é consumido leite e os seus derivados. Outra forma de dieta vegetariana é o vegetarianismo estrito: neste, são excluídos todos os produtos de origem…

VEGANISMO OU MOVIMENTO VEGANO,AS RAZÓES ETÍCAS DO RESPEITO AOS DIREITOS DOS ANIMAIS E MEIO AMBIENTE

Veganismo é um movimento a respeito dos direitos animais e ambientais. Por razões éticas, os veganos são contra a exploração dos animais e do meio ambiente por meio da agropecuária. O boicote à atividades e produtos que são contra direitos dos animais e ambiente é uma das principais ações praticadas por quem adere ao movimento. Em 1997, três por cento dos Estados Unidos anunciaram não ter usado nenhum produto de origem animal nos últimos dois anos. Em 2007, dois por cento do Reino Unido se declararam como veganos. [1] O número de restaurantes veganos está crescendo, de acordo com o Oxford Companion to American Food and Drink (2007).[2] Tem sido mostrado que pessoas em dietas que incluem comidas de origem animal tem mais probabilidades de terem doenças degenerativas, principalmente doenças cardiovasculares.[3] A Associação Dietética Americana (The American Dietetic Association) e os Nutricionistas do Canadá (Dietitians of Canada) consideram a dieta vegana apropriada para todos os estági…