Pular para o conteúdo principal

SAL DE COZINHA,USOS E RISCOS PARA A SAÚDE

Sal de cozinha: com milhares de usos, nutriente essencial para o corpo também apresenta riscos

Conheça melhor o sal de cozinha: de onde ele é extraído, sua importância e riscos para a nossa saúde e para a sociedade

O cloreto de sódio (NaCl), conhecido popularmente como sal de cozinha, é um composto iônico cuja constituição é de aproximadamente 40% cloro e 60% sódio. Ele está presente em tudo, do nosso sangue aos oceanos, e possui quase 14 mil usos conhecidos. É uma substância essencial muito utilizada na nossa sociedade como condimento e como técnica para preservar alimentos. Na antiguidade, o sal era muito precioso, exatamente por resguardar os alimentos em longas viagens. Na Roma antiga, era comum haver o pagamento em sal, a partir daí que se originou a palavra salário, que usamos até hoje quando o dinheirinho cai na nossa conta ao final de um mês de trabalho. O sal também é ligado a diversas superstições, como a de que ao jogar uma pitada de sal no próprio ombro esquerdo, você se livra do azar.

Fontes

O sal é um recurso natural renovável, assim como a água e, desta forma, as pitadas que você consome podem ter milhões de anos. O principal meio de se obter sal é a partir da evaporação da água dos oceanos. Em média, a água do mar possui 3,5% de sal em sua composição, ou seja, é uma reserva de quase 50 quatrilhões de toneladas de cloreto de sódio. A mineração em minas de sal também é uma prática comum para obtenção desse recurso. Em 2010, foi estimada uma produção de 270 milhões de toneladas de sal em todo o mundo.

Usos

Existem diversos usos para o sal na nossa sociedade. O mais conhecido é para a nossa alimentação, como tempero. Muitos micro-organismos não sobrevivem em um ambiente salgado, pois o sal remove a água de suas células por osmose. Por esse motivo, o sal é utilizado para preservar alimentos até hoje. Alguns alimentos, como o picles e o salame, só existem graças a ação do sal em sua preservação e tratamento.
O sal também é muito utilizado no hemisfério norte para evitar que as estradas e ruas sejam congeladas ou até mesmo para derreter o gelo presente nelas, a um preço muito baixo. Essa ação gera alguns impactos no meio ambiente, pois o sal tem como destino os corpos d'água, causando um desequilíbrio nesse ambiente. Outro problema é a corrosão das estruturas metálicas em que o sal foi aplicado, causando acidentes e prejuízos.
Outros usos do sal incluem: indústria química (produção de uma grande quantidades de químicos utilizados na nossa sociedade), agricultura, tratamentos medicinais, combate ao fogo (extintores) e limpeza (sabonetes e xampus).
Clique aqui e veja diversos outros usos para o sal de cozinha na sua casa.

Por que não podemos beber a água do mar?

A água do mar contém grandes quantidades de sal em sua composição. Ao bebermos essa água, nosso corpo tentará se livrar do excesso de sal através da urina, removendo água do corpo. Assim, para consumir essa água será necessário urinar uma quantidade muito maior do que o consumo, causando desidratação do corpo, podendo levar à morte.

Por que consumimos sal?

O sal de cozinha é um nutriente essencial, ou seja, não é produzido no nosso corpo. O corpo humano contém aproximadamente 0,15% de sal (em uma pessoa que pesa 50 kg, há 75 g de sal). Ele é um eletrólito que atua conduzindo eletricidade e mantém nossas células, músculos e sistema nervoso funcionando. Dessa forma, o sódio facilita essa transmissão de eletricidade no corpo humano.
Outro fator importante do seu consumo é que o sal de cozinha possui iodo adicionado em sua composição, fato que ajuda na prevenção de doenças causadas pela deficiência dessa substância, como o bócio, anomalias congênitas, surdo-mudez, retardo mental e aumento no volume da glândula da tireoide.
Por outro lado, o sal pode causar grandes problemas para a nossa saúde. O excesso de consumo de sal pode levar a uma retenção de líquidos no corpo, aumento da pressão arterial, desenvolvimento de doenças cardiovasculares e problemas renais.
A recomendação diária estabelecida pelo Ministério da Saúde para adultos é de cinco gramas por dia (equivalente a uma colher de chá rasa), o que equivale a aproximadamente dois gramas de sódio, a quantidade recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Porém, o consumo no Brasil é em média de 4,5 g por habitante de acordo com um estudo realizado pela Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (Abia).

Dicas para reduzir o consumo de sal:

• Procure utilizar outros temperos, substituindo o sal por alho, ervas ou limão;
• Utilize um medidor quando precisar do sal, assim você saberá exatamente a quantidade de sal que está sendo colocado na comida;
• Evite alimentos industrializados, eles contêm grandes quantidades de sal. Preste atenção nos rótulos dos alimentos;
• Reduza gradativamente o uso de sal na sua alimentação; com o tempo, seu paladar irá se adaptar.
Fonte:http://www.ecycle.com.br/component/content/article/62/2982

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ALIMENTAÇÃO PARA PREVENÇÃO E RISCOS NO CÂNCER

DIETA E CÂNCER  Qual o impacto da doença na saúde da população: No Brasil, a incidência de câncer se torna mais evidente à medida que ocorre o envelhecimento da população, resultado do processo de desenvolvimento econômico e social. Atualmente, o câncer é reconhecido como uma doença comum, representando a segunda principal causa de morte no país. Na faixa etária acima de 40 anos de idade é a principal causa de morte, sendo até 30% desses cânceres diretamente relacionados aos hábitos alimentares. FATORES DE RISCO PARA O CANCER  FumoDieta (rica em gorduras e carne vermelha)SedentarismoTrabalho em ambiente carcinogênicoHistória familiar para câncer
A dieta e a alimentação são considerados fatores de risco modificáveis, uma vez que os hábitos alimentares podem ser modificados através da adoção de um estilo de vida mais saudável. Mudanças na dieta que podem diminuir o risco de desenvolver câncer Atualmente, alguns alimentos contribuem para o desenvolvimento do câncer, enquanto outros podem con…

ORIGEM E HISTÓRIA DO VEGETARIANISMO

Definição Vegetarianismo ou vegetarismo é um regime alimentar baseado no consumo de alimentos de origem vegetal. Define-se como a prática de não comer qualquer tipo de animal, com ou sem uso de laticínios eovos[1][2] O vegetarianismo pode ser adotado por diferentes razões. Uma das principais é o respeito à vida dos animais. Tal motivação ética foi codificada em várias crenças religiosas juntamente com os direitos dos animais. Outras motivações estão relacionadas com a saúde, o meio ambiente, a estética e a economia. Existe uma grande variação de dietas vegetarianas em relação aos produtos que são ou não consumidos. A forma mais popular de vegetarianismo é o ovolactovegetarianismo, que exclui todos os tipos de carnes, mas inclui ovosleite e laticínios. Há também o lactovegetarianismo, que exclui todos os tipos de carne e também o ovo. Mas é consumido leite e os seus derivados. Outra forma de dieta vegetariana é o vegetarianismo estrito: neste, são excluídos todos os produtos de origem…

VEGANISMO OU MOVIMENTO VEGANO,AS RAZÓES ETÍCAS DO RESPEITO AOS DIREITOS DOS ANIMAIS E MEIO AMBIENTE

Veganismo é um movimento a respeito dos direitos animais e ambientais. Por razões éticas, os veganos são contra a exploração dos animais e do meio ambiente por meio da agropecuária. O boicote à atividades e produtos que são contra direitos dos animais e ambiente é uma das principais ações praticadas por quem adere ao movimento. Em 1997, três por cento dos Estados Unidos anunciaram não ter usado nenhum produto de origem animal nos últimos dois anos. Em 2007, dois por cento do Reino Unido se declararam como veganos. [1] O número de restaurantes veganos está crescendo, de acordo com o Oxford Companion to American Food and Drink (2007).[2] Tem sido mostrado que pessoas em dietas que incluem comidas de origem animal tem mais probabilidades de terem doenças degenerativas, principalmente doenças cardiovasculares.[3] A Associação Dietética Americana (The American Dietetic Association) e os Nutricionistas do Canadá (Dietitians of Canada) consideram a dieta vegana apropriada para todos os estági…